A tal da Black Friday no Brasil

É só falar em “Black Friday” que os olhos já brilham, não é mesmo? A data tão esperada promete os melhores descontos para aquele produto que você estava querendo comprar faz tempo, mas ainda não tinha tido coragem ou até mesmo não podia arcar com o preço cheio.


Neste ano, pudemos perceber este fenômeno de forma ainda mais exaltada. As pessoas estavam com um desejo reprimido de compras, seja por estarem na quarentena, seja por terem feito economias diante deste ano tão incerto.


Apesar de, economicamente, ter sido um ano que abalou o mundo inteiro, as vendas na Black Friday 2020 surpreenderam! E, entre os principais motivos para o impulso nos negócios, estão a liberação do saldo nas contas do FGTS, os juros nas mínimas históricas, a digitalização de lojas físicas e a tal demanda reprimida por consumo.


Devido à quarentena e ao fato de as pessoas estarem mais familiarizadas e adeptas à compra online, o e-commerce brasileiro foi o maior destaque: as vendas somaram R$ 4,02 bilhões na Black Friday, uma alta de 25,1% em relação ao mesmo período do ano passado, segundo estudo da Ebit/Nielsen.


Claro que também tem muita gente que compraria nas lojas físicas, mas, por conta da pandemia, optou pelas compras online. Mas mesmo assim ainda é um número muito surpreendente!


De acordo com um levantamento da Neotrust / Compre&Confie, foram realizados 7,6 milhões de compras online na data, número 24,7% maior do que o registrado na Black Friday em 2019.


O fundador da Neotrust / Compre&Confie, André Dias, comenta que “o volume de vendas na Black Friday em 2020 foi um marco para a história do e-commerce brasileiro, tornando-se a data com maior volume de vendas já registrado no País em todos os tempos. Em alguns períodos do dia, foram mais de 5 mil pedidos por minuto!” :o


Outro fator importante para essa equação é que os brasileiros não só compraram mais em quantidade, mas também fizeram pedidos de maior valor. Ainda segundo o levantamento, o ticket médio neste ano foi de R$ 668,70, 5,1% maior do que o registrado no mesmo período do ano passado. $$$$


A Black Friday foi bastante comemorada pelos grandes varejistas. O grupo Via Varejo (VVAR3), dono das marcas Casas Bahia, Ponto Frio e Extra, encerrou a Black Friday 2020 (considerando a semana de 22 a 28 de novembro) com vendas totais de R$ 3 bilhões - novo recorde da companhia, superando o ano anterior, em que foi registrado uma venda de R$ 2,2 bilhões.


Com a pandemia do Coronavírus ainda assombrando o Brasil, as plataformas digitais tiveram papel fundamental para este desempenho. As vendas online cresceram 99% e responderam, assim, por 62,4% das vendas do período. O aplicativo “Me Chama no Zap”, sozinho, representou 18% das vendas online!!! Oh God!


O Magazine Luiza ainda não revelou os números, mas afirmou que as vendas foram positivas tanto no comércio eletrônico quanto nas lojas físicas do grupo. Já a Amazon, com atuação apenas em e-commerce, também viu, na data deste ano, o maior dia de vendas da história da companhia no País.


Apesar destes dados incríveis, a Black Friday não teve estes mesmos números tão positivos para todos. De acordo com o Índice Cielo de Varejo Ampliado (ICVA), que monitora 1,5 milhão de varejistas credenciados à empresa de meios de pagamentos, o faturamento nominal das vendas mostrou retração de 14,5%, em comparação com o período equivalente do ano anterior.


Isso aconteceu justamente devido ao declínio de 25,5% nas vendas no varejo físico, ainda afetado pela pandemia do Covid-19. Para algumas marcas, por mais que o comércio eletrônico tenha tido um grande salto - apurando alta de 21,2% de acordo com a Cielo -, não foi o suficiente. ☹


As empresas que tiveram uma estratégia online mais forte foram as mais beneficiadas. O “Me Chama no Zap” anteriormente citado, por exemplo, teve importante participação, atingindo 18% das vendas online do grupo Via Varejo.


Muitas empresas seguiram este caminho e também passaram a atender pelo WhatsApp, tornando, assim, a comunicação mais eficiente e mais agradável para o consumidor.


Outro exemplo de estratégias digitais que podemos citar é a Amazon, que expandiu de 16 para 30 categorias de produtos à venda no site, além de comercializar produtos exclusivos, como a assistente de voz Alexa e o alto-falante inteligente Echo.


E você, o que achou desta Black Friday?? Também aproveitou os descontos oferecidos e navegou pelos diversos sites em sale? Ou tem um negócio e criou uma super estratégia inteligente? Conta pra gente!




Fonte:

https://www.moneytimes.com.br/via-varejo-bate-recorde-e-vende-r-3-bilhoes-na-black-friday-puxada-por-e-commerce/

https://economia.uol.com.br/noticias/reuters/2020/11/28/vendas-no-varejo-na-black-friday-recuam-145-mostra-icva-ecommerce-cresce-21.htm

https://www.idv.org.br/noticia/varejo-contabiliza-venda-recorde-com-black-friday/

https://www.seudinheiro.com/2020/empresas/via-varejo-magalu-mercado-livre-balanco-black-friday/

https://mercadoeconsumo.com.br/2020/11/28/vendas-do-e-commerce-na-black-friday-2020-crescem-31-e-passam-de-r-5-bi/

PUBLICAÇÕES RECENTES

NOSSAS REDES SOCIAIS 

  • Facebook
  • Instagram
  • Linkedin