Desaprendendo na China


5 Coisas que Desaprendi sobre a China

Por Beatriz Mello

“Desaprendam sobre China” – foi assim que o professor David Gosset começou a aula sobre China Renascentista. Um título bastante europeu, para uma aula que ensina sobre a transformação e modernização da China, sem que isso seja significado de ocidentalização.

Esta informação, em um primeiro momento, parece infundada para quem vê da janela da classe um letreiro gigante da Prada, e sabe que do outro lado da rua tem um Starbucks. Mas é andando nas ruas de uma cidade tão internacional como Shanghai, que você percebe que a China é “igual, mas diferente” como eles mesmos falam por aqui, e que a gente precisa mesmo desaprender.

Enumerei 5 coisas que desaprendi sobre a China nesta semana e que poderão lhe ajudar em sua jornada por Shanghai:

1. A vida não é Caos, ela é “Yin Yang” e flui como a água.

Na China a expressão “é preto no branco” não possui muita adequação, é como o símbolo do Yin Yang (*), o preto pode ter branco e o branco pode ter preto. Explico: O chinês toma cada vez mais café, entretanto o chá, a bebida mais tradicional da China, continua sendo muito valorizado e tem suas lojas de luxo no shopping, ao lado de grandes marcas internacionais. Shanghai tem prédios altíssimos, mas vi várias construções com andaimes feitos de bambu. Parece ser coisa de sabedoria antiga.

Além disso, tudo depende de um contexto, o que se fala e o que se escuta. Um mesmo símbolo ou ideograma chinês pode significar várias coisas. Ou seja, contexto, contexto, contexto. Isso é fundamental, e neste sentido é importante ser fluído como a água, flexível, mas ao mesmo tempo firme no propósito.

2. Há produtos de alta qualidade sim, tudo depende do comprador.

Ok, sei que é pré-conceito, mas sim, tenho que confessar, sempre tive um pé atrás com produtos Chineses. Entretanto descobri que eles são incríveis na execução, fazem o que se pede e melhoram a cada dia. Na China tudo dependerá do comprador. Quer produto baratinho sem qualidade, tem também. O problema é que eles se acostumaram que comprador (e consumidor) brasileiro prefere produto barato onde a qualidade é menos importante. Por isso, caso for negociar com um fornecedor chinês peça “western quality” (qualidade europeia).

A inovação virou um pilar importante para o desenvolvimento da China e é um dos focos da política governamental há anos. Empresas como Huawei (celular), Alibaba (e-commerce), Taobao (e-commerce) desenvolveram, inovaram e hoje são gigantes na China e no mundo. Agora o foco é incentivar o empreendedorismo. Segundo a aceleradora de Startups China Accelerator, existem hoje 7 aceleradores e mais de 2500 incubadoras de startups na China. Um exemplo é a NIO que produz carros elétricos, a exemplo de seu modelo EVE, um lançamento muito aguardado já para o ano que vem.

3. Não é falta de educação, é falta de relacionamento.

Shanghai tem 24 milhões de habitantes, muito trânsito e uma esquizofrenia que só se presencia em megametrópoles. Mas não são estes os motivos pelo quais as pessoas não socorrem as outras na rua em caso de acidente. Achou esquisito? Pois bem, caso alguém caia ou sofra algum acidente (sim é verdade, isso realmente é frequente) é bem provável de você presenciar cenas de pura indiferença. Porque? Os chineses não socorrem ou ajudam o “outro” caso não exista uma mínima relação pessoal. Os problemas que uma vítima poderá causar ao seu “salvador” são inúmeros, e não estamos falando de tempo ou logística ao socorro, mas sim com a justiça. Existem casos onde o socorrido processa o “salvador” (What?). Sendo assim, a melhor forma de se dar bem com chineses, principalmente nos negócios, é estabelecer laços com eles desde o início. Faz parte da cultura, eles valorizam muito os vínculos de relacionamento e os círculos sociais. Não é à toa que vemos várias “chinatowns” espalhadas pelo mundo.

4. Ser líder não é o mais importante, Chineses querem ser peça fundamental e central.

Este é um “desaprendizado” muito interessante e milenar. Os chineses não querem ser líderes. Eles querem ser centrais, essenciais para a humanidade. O próprio nome da china leva ideogramas conceituais desta bússola: “Reino Central” ou “ZHONG (Central) GUO (terra/reino)” . O estilo agressivo americano de vencedor ou perdedor não existe na China. Não desejam ser os primeiros, mas também não querem ser simples seguidores. O importante é estar presente e ser fundamental para a economia dos países, nas transações, no desenvolvimento tecnológico e na cultura de suas etnias.

Se autodenominam “co-arquitetos” da economia Global. O que aliás, é para mim um conceito bem moderno e bastante adequado para a sociedade de hoje, que vem se tornando mais colaborativa a cada dia.

5. País emergente que nada! Isso é uma retomada do que já se foi um dia.

Todo mundo já ouviu falar dos BRICs, o grupo de países emergentes que inclui o Brasil. China é o C e, ao contrário de nós brasileiros, não se consideram emergentes, eles são uma nação milenar e já foram responsáveis, em 1820, por aproximadamente 33% de toda a economia do mundo.

Em 2016, foram responsáveis por 15% do PIB Global segundo o IMF (International Monetary Fund). Ou seja, eles só querem voltar ao que já foram um dia. O que isso significa? Crescimento, desenvolvimento, inovação e cultura.

Após algumas semanas na China, hoje tenho um novo filtro sobre esta economia que se transforma a cada dia, inclusive muda outras vertentes globais. Passei a ver com mais clareza os reais desafios que a sociedade chinesa enfrenta, como a poluição e as limitações de direitos. Mas desaprender ensinou-me também que Empatia exige que você não apenas entenda o outro, mas que olhe a atitude do outro contextualizando a visão dele.

O que isso significa para mim? Vim despreparada para China. Liberei roaming, cartão, troquei dinheiro, fiz seguro, comprei guia, mas não pesquisei sobre eles e suas essenciais.

O que isso serve para os negócios? É mais fácil negociar com alguém entendendo não apenas o seu ponto de vista, mas nos colocando no lugar.

O que isso serve para as marcas? O engajamento com o consumidor fica mais fácil quando a gente entende a sua jornada, suas emoções e seu contexto.

O que isso serve para a vida? Às vezes a gente precisa desaprender para se transformar e mudar.

Sobre a autora: Beatriz Mello: Pessoa curiosa que ama aprender, conhecer gente, descobrir lugares e transportar o que mais gosta para a sua vida profissional. É diretora de Pesquisa & Insigths na Discovery Network, professora de Conhecimento do Consumidor na Lemonade School, aluna da Berlin School of Creative Leadership e, sempre que pode, viajante pelo Brasil e pelo Mundo.

PUBLICAÇÕES RECENTES

NOSSAS REDES SOCIAIS 

  • Facebook
  • Instagram
  • Linkedin

SOBRE O BLOG DO LIMÃO DIGITAL

SOBRE A LEMONADE SCHOOL

QUERO RECEBER NOVIDADES E DICAS DA LEMONADE SCHOOL.

 Este blog é dedicado a todos os alunos da Lemonade School, mas principalmente aos curiosos, sonhadores, empreendedores e visionários que compartilham dos mesmo ideais e paixões difundidas em nossas salas de aula. Sejam muito bem vindos ao universo da Lemonade School. Enjoy and  Share. 

LemonadeSchool

© 2017 by LEMONADE SCHOOL. Orgulhosamente criado para você